Educação Ambiental no zoo estimula crianças e adolescentes a seguirem carreira na área

10 de outubro de 2018

Educação Ambiental no zoo estimula crianças e adolescentes a seguirem carreira na área

Inaugurado em 20 de outubro de 1968, o Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros” vem desempenhando ao longo desses anos de existência um importante papel não apenas na conservação e bem-estar dos animais, mas também na área de Educação Ambiental. Milhares de crianças e adolescentes já participaram de alguma ação educativa no zoo e, em muitas delas, foi plantada uma pequena semente que mais tarde acabou dando frutos: já jovens, elas optaram por uma carreira profissional voltada ao meio ambiente.

Administrado pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema), o “Quinzinho de Barros” é considerado um dos mais completos da América Latina e classificado no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) na categoria A, que é a mais elevada.

Entre as várias ações de Educação Ambiental desenvolvidas no zoo estão as visitas monitoradas, os cursos de férias e as tradicionais visitas noturnas, além de atividades realizadas em datas especiais, como Dia do Lobo Guará (12 de outubro), Dia Mundial do Chimpanzé (14 de julho) e o Dia Mundial da Lontra (última quarta-feira do mês de maio). O objetivo é sensibilizar o público, apresentando informações e curiosidades sobre as espécies, visando a conservação desses animais.

 

Inspiração

Um exemplo de quem frequentou atividades educativas no “Quinzinho de Barros” e seguiu carreira na área é a jovem Carolina Souto, de 22 anos de idade.

Primeiro ela frequentou um curso de férias no zoo em 2002. Depois acabou participando do Clube Conservadores da Natureza (CCN) até 2012. “Fiz meu primeiro curso de férias em janeiro de 2002, o tema era “As águas vão rolar”. Tinha apenas seis anos e fiquei muito ansiosa até chegar o fim de julho para fazer sete anos e poder ingressar no clubinho”, destaca a jovem.

Hoje, ela é formada em Biologia e atua com Educação Ambiental no Sítio Reino Animal, em Votorantim, buscando proporcionar aos visitantes um contato lúdico com o meio ambiente.

Carolina lembra que começou a realizar as atividades do zoológico por incentivo da família. “Posso dizer que meu principal incentivo foi a família. Minhas irmãs também foram integrantes do CCN e fizeram os cursos de férias do zoológico e meus pais sempre incentivaram bastante o amor que eu tinha pelos animais e as plantas”, comenta Carolina.

A bióloga salienta a importância que o parque proporcionou em sua carreira. “Como profissional acho que não há como descrever o quanto o CCN me proveu de conhecimento científico e visão crítica. O clubinho não me serviu apenas de saberes e dados para contar, me ensinou a ter um olhar diferenciado para as situações e me muniu de boas memórias e ideias que aplico hoje no meu trabalho com as crianças. Agora, meu papel é passar tudo que puder sobre o que aprendi com o CCN. Tenho muito orgulho de trabalhar nessa área hoje”, comenta.

Agora, com maturidade para compreender melhor tudo que aprendeu, Carolina agradece ao período que fez parte do zoo e a todos os aprendizados proporcionados. “O clube trabalhava questões ecológicas, de sustentabilidade, respeito e amor à natureza e ao comportamento dos animais do zoológico, algo muito maduro para crianças”, conta ela.

“Além disso, aprendíamos a conviver uns com os outros (educadores e crianças), a ter respeito com qualquer forma de vida, inclusive, aprendíamos até mesmo que aprender era divertido. Mesmo com todo o princípio ambiental o CCN ia muito além do ‘jogar lixo no lixo’ e ‘fechar a torneira enquanto escova os dentes’, ressalta.

Para o futuro, Carolina confessa que pensa em trabalhar no zoo. “Eu já fiz alguns trabalhos voluntários no zoológico na área da educação ambiental, mas ainda não atuei lá como bióloga formada, e confesso que é um dos sonhos que vem guardado da infância. Independente do setor de atuação, o zoológico é um local de eterno aprendizado para seus profissionais e espero um dia poder contar com esse aprendizado como bióloga”, finaliza.

O Clube Conservadores da Natureza teve início em 1998 no zoo, com um grupo de cerca de 20 adolescentes. Eles participavam de saídas a campo, pesquisas, brincadeiras, exposições e outras atividades, sobre os mais variados assuntos relacionados à conservação do meio ambiente.

“O zoo sempre esteve engajado no trabalho de tocar e sensibilizar as pessoas quanto à valorização do meio ambiente, natural e urbano, porque não podemos esquecer que o ambiente em que moramos também merece ser cuidado”, explica a técnica ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins, Peônia Britto de Moraes Pereira, responsável pela Educação Ambiental no zoo.

Peônia fala que a infraestrutura do zoo é totalmente preparada para isso. “Temos a biblioteca cheia de edições de revistas e livros raros que podem ser consultados e emprestados aos integrantes do clube, assim como documentários e kits pedagógicos elaborados pela da educação ambiental. Além disso, contamos com espaços abertos e fechados, as trilhas e o museu de zoologia que é incrivelmente diverso com peças de todos os tipos”, ressalta Peônia.