Estudante de Sorocaba é aprovado em quatro universidades públicas

3 de fevereiro de 2019

Estudante de Sorocaba é aprovado em quatro universidades públicas

Estudante de 17 anos conquistou o 1° lugar pelo Sistema de Seleção Unificado (Sisu) no curso de medicina da USP Bauru e foi aprovado também na USP São Paulo por meio do vestibular da Fuvest. Mas Gabriel Matucci, de Sorocaba (SP), optou por ingressar na USP São Paulo e conta que a escolha pelo campus na capital também levou em conta a distância de casa. “Escolhi a USP Pinheiros pensando na tradição da faculdade e na proximidade de Sorocaba”.

Após ter decidido a universidade, o estudante ainda recebeu outras duas boas notícias: também foi aprovado em medicina na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e na Universidade Estadual Paulista (Unesp), cujo resultado saiu nesta sexta-feira (2). Tímido, o adolescente chega a demonstrar certo constrangimento com tantas parabenizações pelas boas colocações. Entretanto, sabe que tudo é resultado do esforço e dedicação dos últimos anos. Sobre a especialidade médica que pretende seguir, o agora universitário adianta. “Os veteranos falaram para a gente ir com a cabeça bem aberta, conhecer as especialidades, saber qual você gosta mais, mas penso bastante em neurologia.”

Estudo sem caderno

Durante os três anos do ensino médio, os adesivos foram os melhores amigos do Gabriel. O jovem preferiu forrar a parede do quarto com pequenas anotações do que usar caderno para estudar. O método chamou atenção de amigos e professores. “Percebi que o ensino médio ia trazer muita matéria para decorar, era muito conteúdo passado, e achava que era importante sintetizar aquilo que era mais relevante para as provas de vestibular. Dai colocando o papel pequenininho, achei que seria mais fácil de resumir tudo aquilo, e manter na cabeça”, explica o sorocabano. Os pequenos adesivos eram trocados a cada dois meses com o fim do bimestre. Gabriel não contabilizou quantos resumos fez usando o método mas, com certeza, foram milhares de adesivos.

Para reforçar a preparação antes dos vestibulares, o estudante conta que, no início do ano, estudava até cinco horas a mais em casa quando voltava da escola, carga horária que aumentou para doze em dezembro. Prestes a iniciar os estudos em medicina, Gabriel tem uma certeza: vai continuar usando os adesivos para facilitar o aprendizado. “Com certeza!”, afirma.