Procon Sorocaba realiza nova operação para fiscalizar serviços das seguradoras de automóveis

24 de setembro de 2018

Procon Sorocaba realiza nova operação para fiscalizar serviços das seguradoras de automóveis

Com o objetivo de garantir a qualidade dos serviços prestados pelas seguradoras de veículos, o Procon Sorocaba, dando sequência às diligências, realizou uma nova ação de fiscalização nas funilarias da cidade que são cadastradas nas principais empresas de seguro. Denominada ‘Original’, nova ação, realizada na última quarta-feira (19), aconteceu em outras 09 (nove) oficinas da cidade, com equipes de cerca de sete pessoas, compostas por funcionários da Fiscalização do Procon, Guardas Civis Municipais (GCM) e de integrantes do Sindicato da Indústria de Funilaria e Pintura do Estado de São Paulo (Sindifupi). Outras diligências aconteceram nos dias 21 e 22 de agosto.

De acordo com o balanço divulgado pelo Órgão de Defesa do Consumidor, das nove visitas realizadas, em sete delas foram encontradas irregularidades relativas às peças repostas nos veículos, que foram lacradas e disponíveis para averiguações.

A iniciativa da fiscalização surgiu por parte do Sindifupi, que havia identificado irregularidades nos serviços prestados. O fornecimento de peças de segunda mão, quebradas ou de refugo das grandes montadoras eram oferecidas às funilarias de todo o Estado de São Paulo, com valores de produtos originais declarados em nota. Assim, com o fito de proteger o público consumidor e a fim de evitar possíveis incidentes na região, o Procon Sorocaba se prontificou em realizar a fiscalização do setor.

Durante a operação, foram reunidas informações sobre os veículos que estão em processo de reparo, com documentos, notas fiscais, fotos e eventuais apreensões. Ainda, as oficinas foram notificadas para apresentação de documentos referentes aos veículos segurados e reparados.

Com início às 9h30, a fiscalização contou com a presença do Superintendente do Serviço Municipal de Proteção ao Consumidor, Laerte Molleta e da Chefe da Divisão, Fernanda Lamano, que acompanharam o andamento da ação, percorrendo pontos em que havia a intervenção do órgão municipal. “Essa é uma ação de alta necessidade. A violação desse tipo de atividade implica diretamente na proteção à relação de consumo e saúde do consumidor, uma vez em que o uso de peças usadas ou de má qualidade colocam em risco a vida do usuário”, afirmou Laerte.