Sorocaba nas Olimpíadas

8 de julho de 2016

Priscilla Stevaux Canaval, a Musa do BMX, tem 22 anos, é atleta profissional desde os 16 anos e é apaixonada pelo esporte. Seu maior espelho, que a fez ingressar no esporte, foi seu irmão e atual treinador, Douglas Stevaux. Por causa de seu sonho de participar das Olímpiadas, trancou o curso de Arquitetura e Urbanismo na Uniso ela estará representando o Brasil nos jogos do Rio de Janeiro que começam em Agosto

Sorocaba nas Olimpíadas

Priscila é a única atleta de sorocabana a participar dos Jogos Olímpicos no Rio (Foto: CS Fotografia)

Zona Norte Notícias – Como e quando aprendeu a gostar do BMX?
Priscila Stevaux – Aprendi a andar de bicicleta aos 3 anos, porém conheci o mundo do BMX (Bicicross) com 7 anos de idade em 2001. Sempre gostei de passear de bike com meu pai, mas no ano de 2001 quando meu pai passou em frente à pista no centro esportivo Pinheiros e conheci o BMX entrei de corpo e alma junto ao meu maior espelho, meu irmão Douglas Stevaux hoje meu treinador.
ZN notícias – O Douglas foi quem te incentivou e incentiva diariamente?
Priscila – Sem sombras de dúvidas, o grande influenciador da minha vida é o meu irmão. Eu o imitava em exatamente tudo, ele sempre foi meu espelho.
ZN notícias – E no esporte em geral, qual o seu maior ídolo?
Priscila – Sou fã de todos os atletas em geral, pois não é fácil superar-se diariamente, todos são com certeza heróis. O que mais me admira em todos os esportes é a parte técnica e no BMX meu ídolo é meu irmão e o americano Kyle Bennett #88.
ZN notícias – Como foi o processo de classificação, a conquista pela vaga olímpica?
Priscila – Existem vários critérios de classificação para os Jogos Olímpicos. Foram muitas competições, altos e baixos, muita luta diária. Tínhamos 3 homens e 2 mulheres pontuando nestes últimos 3 anos de ciclo Olímpico e no masculino conseguimos classificar através do Ranking Olímpico de Nação (13o lugar – 1 vaga) e no feminino não. Até o Campeonato Mundial tínhamos apenas a vaga de país sede na qual o critério dado pela Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) era que esta vaga seria dada à atleta com melhor pontuação no Ranking Olímpico , porém ao participar do Campeonato Mundial 2016 em Medellín na Colômbia , obtive um bom resultado, 15o lugar na competição, garantindo a classificação do Brasil através do critério do Campeonato Mundial (mesmo se os Jogos Olímpicos não fossem no Brasil teria me classificado através deste resultado).
ZN notícias – Essa vaga foi conquistada recentemente, como foi essa busca incessante?
Priscila – Conquistar a vaga de representante do Brasil nos Jogos Olímpicos não foi nada fácil. Em todos os momentos eu me apeguei muito à Deus, pois se não é a vontade dele nada disso teria acontecido e a força de vontade que me movia diariamente era provar primeiramente a mim mesma que eu poderia ser exatamente aquilo que quisesse ser se acreditasse, se eu colocasse toda minha energia. Tenho esse sonho, esse objetivo de me tornar exemplo de motivação para as próximas gerações tanto no esporte como na vida.
ZN notícias – É sua primeira vez nas Olimpíadas, além do momento mágico que deverá ser para você, qual é a diferença desses Jogos para os outros campeonatos mundiais?
Priscila – Participar dos Jogos Olímpicos é uma oportunidade inesquecível de uma grandeza inexplicável, ainda mais sendo no Brasil, uma oportunidade única! Tenho disputado com as melhores atletas do mundo mensalmente e tenho visto o nível se elevar a medida em que nos aproximamos dos Jogos Olímpicos, todas estão preparadíssimas e no mesmo patamar em questão de preparação. Tenho contato com as adversárias com quem disputarei os JO inclusive com a Campeã Olímpica de 2012 o que acaba não sendo novidade no quesito adversárias, mas com certeza será muito diferente, pois é o maior campeonato do Mundo, é o nível mais alto que um atleta pode atingir e o de maior importância para a Nação toda. Na categoria Feminina no Mundial tínhamos 48 mulheres competindo já nos JO serão apenas as 16 melhores de todo o mundo.
ZN notícias – Analisando a atleta Priscilla, pode me dizer quão longe irá chegar na competição?
Priscila – O objetivo é que neste Jogos Olímpicos seja minha melhor competição até hoje e para isso eu estou me preparando diariamente Será minha primeira participação mas eu quero estar na minha melhor forma, representar minha nação da melhor maneira possível!
ZN notícias – E você se imagina no pódio?
Priscila – É preciso sonhar grande, nunca se sabe se não tentarmos não é mesmo? Eu acreditei em um sonho que aos olhos da lógica parecia distante, foi tendo a cabeça nas nuvens que cheguei até aqui então por que não poderei ir mais além? Se estarei nos JO tenho as mesmas chances que qualquer uma que estará lá, vou atrás do meu objetivo com certeza. Ter toda força da torcida brasileira vai ser com certeza inacreditável!
ZN notícias – Como funciona o BMX nas olímpiadas, qual o sistema da competição?
Priscila – O sistema de competição será um pouco diferente tanto na categoria feminina quanto na masculina fará uma corrida de Tomada de Tempo (contra o relógio) no dia 17 de Agosto. No dia 18 de Agosto disputará apenas as quartas de finais masculina (3 baterias classificatórias qual descerão de 8 em 8 atletas e a cada grupo apenas 4 passarão para a próxima fase no dia 19 de Agosto). Na categoria feminina competiremos 3x semi finais juntamente aos classificados da categoria masculina na qual apenas os 4 melhores resultados de cada grupo de semi finais passarão para a tão sonhada fase final na qual teremos apenas uma chance para a medalha de ouro.
ZN notícias – Seus patrocínios são só até as olimpíadas ou após a competição eles continuam?
Priscila – Eu tenho alguns apoios que vem colaborando para todo esse desempenho desde um bom tempo até mesmo antes de estar definida a vaga dos Jogos Olímpicos, porém alguns são de peças ou desconto em peças da bike, outros são apoios financeiros, mas não o suficiente para que eu possa me manter no esporte. Preciso de patrocinadores para que eu possa continuar a jornada representando meu país em busca da próxima Olimpíada 2020 e isso tem sido muito difícil, para se manter no nível é necessária a participação em eventos internacionais e fazer treinamentos constantes junto à atletas com as quais disputo Medalha. Aqui no Brasil, até o momento, não temos ainda uma boa pista à nível Olímpico para que possamos nos preparar, por isso a grande necessidade de treinar fora do Brasil, além das competições fora do calendário da confederação que não são custeadas, sem contar as despesas com alimentação, suplementação e equipamentos que fazem toda a diferença em esportes de alto rendimento.
ZN notícias – Nem toda cidade tem uma pista de bicicross igual Sorocaba. Isso ajuda a formar mais atletas de base e nos seus treinamentos como profissional?
Priscila – O Estado de São Paulo em si é muito forte no BMX, porém ainda nos falta uma pista à nível olímpico (está sendo construída uma em Londrina-PR), muitos atletas adquirem base, temos atletas de grande talento em Sorocaba e região, porém com a falta de apoio e infraestrutura para tornar-se profissional muitos acabam desistindo por não enxergarem futuro, antes mesmo de chegar à categoria máxima do esporte.
ZN notícias – Como essa sua participação nas olimpíadas vai refletir diretamente no esporte para a cidade?
Priscila – Acredito ser a única representante Sorocabana à disputar os JO 2016, também serei a única na categoria Feminina na modalidade BMX. Espero que esta conquista sirva de inspiração e traga esperança aos atletas que acreditam em seus sonhos e que possa disseminar o esporte na cidade obtendo maior apoio e maior visibilidade tanto na região de Sorocaba como no país todo.


Tags:, , , , , , , , ,