Verão e hidratação

8 de outubro de 2018

O verão está chegando e alguns cuidados precisam ser tomados, principalmente com a hidratação. ADra. Janaína Gonçalves Martins, médica dermatologista, formada pelo Instituto BWS fala sobre os cuidados que devemos ter com o corpo e com a pele no verão.

Verão e hidratação

Zona Norte Notícias – Quais os cuidados que devemos ter com a pele no verão?

Dra Janaina Martins – Durante o verão, as atividades realizadas ao ar livre aumentam. A radiação solar incide com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, câncer de pele e outros problemas. Por isso, não podemos deixar a foto-proteção de lado, mesmo em dias nublados, pois a radiação UV (ultravioleta) também atravessa as nuvens. Além do filtro solar, no verão é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois eles bloqueiam a maior parte da radiação UV.  Óculos de sol também possuem papel importante na proteção. O filtro solar deve ser aplicado ainda em casa e ser reaplicado a cada 2 horas, se houver muita transpiração ou exposição solar prolongada. Evite a exposição solar entre 10 e 16 horas (horário de verão). As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV.

ZNNotícias – O que fazer no caso de queimaduras solares?

Dra. Janaina – A queimadura solar possui alguns estágios e pode acontecer em qualquer pessoa, de qualquer idade, basta se expor ao sol sem a proteção adequada. Na fase inicial, temos a queimadura de primeiro grau: quando a pele fica quente, vermelha e ardendo. Na sequência, a queimadura de segundo grau: ocorre dor, inchaço e bolhas. No estágio mais avançado, pode acontecer a queimadura de terceiro grau: é o caso mais grave, quando a camada mais profunda da pele é atingida e as bolhas formadas são mais intensas. Para tratar a queimadura solar, hidratação é essencial. Banhos frios e cremes calmantes a base de óxido de zinco também podem aliviar a ardência. Uso via oral de analgésicos pode diminuir a dor local e a vermelhidão. Consulte-se com seu dermatologista para saber qual é a melhor opção. E lembre-se: proteja-se e evite quadros de queimadura solar. Utilize diariamente protetor solar.

ZNNotícias – Quais tipos de micoses são mais comuns nessa época do ano? Como evitá-las?

Dra Janaína – As micoses superficiais são infecções da pele causadas por diferentes tipos de fungos microscópicos. Estes fungos são comumente encontrados no meio ambiente (principalmente em locais quentes e úmidos, como bordas de piscinas, vestiários, etc.). O paciente pode adquirir uma micose quando se expõe a estes locais contaminados. A transmissão também pode ocorrer através do contato com animais ou pessoas portadoras da doença e ainda por objetos e roupas compartilhados.

ZNNotícias – E quais são os tipos mais comuns de micose?

Dra Janaina – Existem vários tipos de micoses superficiais, as mais comuns são: Pitiríase Versicolor (pano branco): doença causada por fungos do gênero Malassezia que causam na pele manchas hipocrômicas (claras) ou hipercrômicas (acastanhadas ou rosadas), com pouca ou nenhuma descamação. Os locais mais comumente afetados são ombros, costas e peito. Alguns pacientes referem um pouco de coceira nas manchas, mas geralmente são assintomáticas. Ficam mais evidentes no verão, por isso são também conhecidas como “micoses de praia”. Dermatofitoses ou Tinhas (impingem): micose causada por fungos chamados dermatófitos. Provocam na pele manchas circulares com as bordas avermelhadas e descamativas. Causam muita coceira. Podem acometer qualquer local do corpo, mas tem predileção pelos pés (pé de atleta), no meio dos dedos dos pés (frieiras) e nas virilhas. Além disso, podem acometer as unhas (onicomicoses) e o couro cabeludo, principalmente em crianças. O diagnóstico e o tratamento das micoses devem ser feitos por um médico dermatologista. Antifúngicos tópicos (cremes, pomadas, loções) ou por via oral, devem ser criteriosamente selecionados antes de administrados aos pacientes.

ZNNotícias – Quais os principais tipos de manchas solares?

Dra. Janaína – Os tipos mais comuns de manchas relacionadas à exposição solar são: Sendo manchas marrons, temos a Melanose – ela está diretamente ligada ao sol e aparece mais no dorso das mãos, colo e costas, que são áreas de muita exposição solar. Muitas pessoas acham que é mancha de idade, mas é o acúmulo do sol. O Melasma – tem o surgimento relacionado a fatores genéticos, hormonais e sol. Costuma aparecer durante a gravidez ou por causa do uso de pílula anticoncepcional. Não tem cura, mas tem melhora. Quem tem melasma precisa usar filtro solar acima de 50 FPS, duas vezes ao dia. Precisa também evitar lugares quentes. E quando falamos de manchas brancas, são Leucodermia solar ou sardas brancas – aparecem principalmente depois dos 40 anos. Pode ser confundida com vitiligo. É importante lembrar que a exposição solar é um importante fator de risco para o câncer de pele (dentre os diversos tipos de cânceres, o melanoma – mancha preta, geralmente sólida, irregular, com varias tonalidades, que é um dos tipos mais graves)

ZNNotícias – E como hidratar a pele no verão?

Dra. Janaína – Durante o verão, a pele sofre com os extremos de temperatura e com os hábitos comuns da época, como banhos frequentes, idas à piscina e mergulhos no mar, que agravam o ressecamento. Por isso, a hidratação da pele é um costume que devemos ter durante todo o ano, garantindo uma pele macia e viçosa mesmo nos dias quentes. É necessário lembrar também que o uso de hidratantes ajuda a restaurar a barreira da pele, diminuindo o risco de eczemas, irritações e até infecções. Algumas dicas: O melhor momento para usar hidratantes é logo após o banho, aproveite as altas temperaturas para tomar banhos frios ou mornos. A escolha de hidratantes com texturas leves é fundamental, dando preferência aos hidratantes em loção ou até spray.  Outro truque também é colocar o hidratante na geladeira por 30 minutos antes do uso, pois quando gelados, trazem refrescância, além de uma sensação calmante para peles sensibilizadas.

ZN notícias – Quais os melhores tipos de filtros solares capilares?

Dra. Janaína –Os produtos atualmente à venda dão proteção somente ao vento e calor. Eles evitam o ressecamento e a degradação da queratina no cabelo, porém, a eficácia contra os raios UVA e UVB ainda é controversa.Existem pesquisas e estudos sendo feitos em relação aos filtros solares para cabelos, porém, ainda são preliminares e necessitam de mais testes clínicos em seres vivos.

ZNNotícias – A exposição exagerada ao sol pode produzir queda de cabelo?

Dra. Janaína – Ao ficar muito tempo em exposição, os fios de cabelo passam por um processo oxidativo devido à ação dos raios UV. A luz solar afeta a cutícula do cabelo, além de comprometer a queratina. Os danos vão de descoloração do cabelo à redução da força dos fios e perda de brilho. Além disso, o couro cabeludo pode sofrer queimaduras, principalmente para quem tem os cabelos muito finos. Então, há uma alteração da boa qualidade desse couro cabeludo, que sofre um processo inflamatório local e forma radicais livres. Com isso, há uma piora para quem sofre com queda capilar.