Zoo de Sorocaba recebe duas espécies ameaçadas de extinção visando a reprodução

18 de outubro de 2018

Zoo de Sorocaba recebe duas espécies ameaçadas de extinção visando a reprodução

Com o crescimento das áreas urbanas e o desmatamento de matas nativas, algumas espécies de animais infelizmente sofrem o risco de extinção. Esse é o caso do Sagui-da-serra-escuro (Callithrix aurita) e do Sauim-de-coleira (Saguinus bicolo), que estão na lista vermelha de espécies ameaçadas pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). Uma das ações realizadas no Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros” para a conservação das espécies é a transferência de animais com outras instituições. Neste ano, machos das duas espécies chegaram ao zoo sorocabano para a reprodução.

Para a chefe de seção de biologia e veterinária do zoológico, Luana Longon Roca, a permuta é muito importante do ponto de vista da conservação, pois consegue introduzir animais de sangue novo para outros zoológicos, não existindo assim problema de consanguinidade (parentes reproduzindo entre si, que podem acarretar problemas genéticos futuramente), e pareamento de animais que estão sozinhos.

O macho do Sagui da Serra Escura veio do Centro de Primatologia do Rio de Janeiro. O animal chegou no zoológico em setembro deste ano para ser pareado com a fêmea que estava sozinha. De acordo com Luana Longon Roca, o recebimento do macho foi uma sugestão da coordenadora do Stud Book (Livro de Registro Geneológicos), a fim de contribuir para o Programa de Conservação ex-situ (em cativeiro) da espécie, seguindo as diretrizes do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Primatas da Mata Atlântica e da Preguiça-de-coleira.

Já o macho de Sauim-de-coleira veio do zoológico de Brasília. Em Sorocaba, há duas fêmeas e um macho da espécie. Com a chegada do segundo macho, serão formados dois casais para a reprodução. A espécie é nativa de Manaus, e não é possível ser encontrada em nenhum outro lugar do mundo, além de estar ameaçada de extinção na categoria criticamente perigo. O programa de conservação ex-situ segue as diretrizes do Plano de Ação Nacional para Conservação do sauim-de-coleira.

Ambos os animais encontram-se no setor veterinário em período de quarentena, onde estão sendo observados pela equipe técnica do zoo, e também passando também por alguns exames médicos. Ao fim do período será feita a aproximação dos indivíduos com seus pares em recintos adequadamente ambientados.

Para a realização da permuta, a Divisão de Zoológico e Bem Estar Animal encaminha a lista de animais excedentes para a Área de Gestão Ambiental e Zoobotânica da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema). De acordo com o decreto municipal nº 22.509/2016, a lista deve ter a autorização do secretário de Meio Ambiente para que o procedimento dê continuidade, para que seja divulgada à Sociedade Brasileira de Zoológicos e Aquários do Brasil, à Sociedade Paulista de Zoológicos e ao Jornal do Município, informando que já está disponível para consulta das instituições da fauna silvestre.

Já para a transferência ser realizada de fato, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA) tem que autorizar a transferência, através de uma autorização de transporte, e, se for em outro Estado é de competência do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), a autorização.